sobre amores impossíveis e outras mentiras inventadas

Disse o profeta:

tudo bem que ela não me deixa sair muito do eixo. eu sei que exijo demais dela. mas nem todo o tempo precisamos ultrapassar a linha da possibilidade e cair na dura e, sempre tensa, realidade. com isso quero dizer, que estamos nós, os filhos e netos da revolução sexual,  retomando sinceramente o desejo e a arte da paquera. a valorização do olhar. do suave roçar de braços quase desapercebido, mas que arrepia. isso num tempo em que tudo é permitido, tudo é massificado, tudo ficou tão óbvio que nem gosto mais tem...
então ficamos eu e ela a nos olhar nus um dia inteiro... mal nos tocamos, mas muito nos amamos. amigos, amores, amantes... eu e a rainha do deserto.

2 comentários:

Dione disse...

viajei

Anônimo disse...

Bá.... então é da boa!